mardi 24 mars 2009

Internetadas




Calafrios pelo corpo,
tremor nas extremidades.

A velha caneta e o papel,
saudades.

De texto em texto,
hipertextos...

De link em link,
hiperlinks...

Outra aba, outra janela,
o tempo escoa, voa, some...

A materialidade da existência dissolve-se
no tráfego intenso das idéias e estímulos tantos.

Chega a hora de dizer:
- Saia da tela, dê-me um abraço, amigo dito leal!

Emoções mediadas por luz, chips,
ótica falseada já é muito descaso.




Grama possui cheiro, testa-me o olfato.
Textura, terra, mãos...

Pra dizer com segurança
que o virtual só engana em potencial.

Longe está de substituir a essência real
do tudo isso que julgo ser a experiência presencial.


9 commentaires:

Net Esportes a dit…

hoje o mundo virtual domina o mundo real, lindas palavras.....

Leiliane Lopes a dit…

belas palavras, parabéns!!!
quando vi o título do blog achei que vc escreveria em espanhol...amo o idioma e tento aprender...

Dta

Tania Montandon a dit…

Leiliane, essa era a intenção qdo criei o blog, mas ainda não domino bem o espanhol, entender e ler é uma coisa, mas escrever não tenho segurança, um dia eu chego lá, hehe, obrigada pela visita e comentário!
bjo

Aletheia Moraes a dit…

Vem q te dou um abraço!!!!
Amiga querida!!!
Lindo poema!

Flá Romani... a dit…

Que lindo texto. Belo blog!!!

Quero colocar um tradutor no meu blog também :)

Jeff McFly a dit…

É... o poema está assim, mas ou menos.

mas como eu não sei escever uma linha de poema, então, quem sou eu para dizer algo, né?

Abraço e vamo que vamo!

F. Grijó a dit…

Eis o neo-arcadismo com sua força. Essa coisa de deixar de lado o caos e beijar a pele da natureza nada mais é do que uma volta (excelente, diga-se) ao século XVIII.
Bacana!

L&L-Arte de pensar e expressar a dit…

bacana seu blog parabens, quando der visite o meu www.palavrasarteblablabla.blogspot.com

Wander Veroni a dit…

Atualmente, o mundo virtual exerce uma presença no mundo real. Gostei da imagem que vc ilustrou o post. Todos os caminhos da web nos levam ao Google, não tem como fugir.

Abraço