samedi 10 janvier 2009

Lord Profanus




Estava a olhar-te em silêncio,
já há algum tempo,
sem nem saber o motivo
dum impulso tão incisivo.
O contorno suave de tua face,
proporcionalmente formada
para o enlace estilizado a contento
dos mais exigentes estetas


Este olhar profundo, sedutor, ai,
o que há doutor? Esta ardência,
calorosa, dilacerando minha mente,
não consigo trabalhar,
não consigo cozinhar,
aquela delineação da masculinidade
em incrível perfeição, meu Deus!

Que loucura, que desejo
de ternura cálida, inteira,
uma vontade verdadeira
aventura nada rotineira
e tê-lo todo em mim, sentir
o cheiro do amor a me arrancar
toda uma volúpia impronunciável.

Não, não pode ser,
sou uma mulher digna,
não uma garota para ceder
a estes lampejos libidinosos,
não, isso nunca. Lá tenho idade
pra futilidades efêmeras?

Ai, sai, imploro
ó meu Deus, sai de mim,
não não não, entre, isso,
entre, ai ai, ahhh...
Meu homem, assim eu eu ahh..

Mais no fundo sinto-te inteiro,
tua alma desnudando-se
em meu interior, num deleite cósmico,
pequena morte, que te quero grande
e várias e sempre e tantas!

Sinta o leite da entrega,
do desprendimento mundano,
do apego delicioso ao profano,
meu lord, meu amo,
amo-te como nunca.
Humanos não são, sensações
prânicas, ritmadas na completa

atividade sem nada,
na dança vital
ou seria mortal?
Puro teor do desvencilhar material,
numa onda de prazer
meta-sensorial, há tanto almejado,
represado, amaldiçoado
pela hipocrisia social.

Não, isso é natural, tua pele
é pura seda fervente, músculos
sentidos em cada contrair e relaxar,
nuvens de inconsciência misturando,
enlouquecendo, delirando
meu ser terreno.

Curvas de passeio, carne,
beijo, desejo. O gosto doce
do suor sagrado, por mim primado
em sua beleza magistral,
divina, carnal. Sim, é meu,
confesso, entrego, desejo-te inteiro
dentro de mim, mais e mais
e por fim rendo-me.

A magnitude da experiência
só pode ser celestial,
algo de sobrenatural,
multiplicidade de explosões cósmicas
numa só tarde, arde e arde e parte
antes que o coração salte.

Uma vida foi, então,
sentida, integrada,
realizada. Derreto,
lampejos de carinho
e beijos, desfaleço...

10 commentaires:

Lizzie a dit…

Belíssimo. De uma suavidade e provocação incríveis. Perdoa-me a demora em comentar, li todo o post antes.

Beijocas
www.literatrices.blogspot.com

A'ZaF a dit…

caramba que bonito...foi você quem fez? cara ficou realmente bom...mto mto mesmo

abraços

http://paranoiaelucidez.blogspot.com/

G!$a a dit…

Esse é um texto muito passional e envolvente . Legal mesmo .

Tђαммy a dit…

Nossa!
Fiquei encantada...Blog bonito,imagem maravilhosa e texto muito bem escrito.
Abraços!

JúNiOr_DeSeNhO a dit…

Bem interessante!! Passional mesmo!

Anonyme a dit…

Poemas são mais para serem sentidos do que comentados, ainda mais esse, erótico. Ainda estou sob os seus eflúvios, mas posso adiantar que gostei. Suave e forte na mesma medida. Parabéns! Continue!
Ana Guimarães

Homenzinho de Barba Mal feita a dit…

O desejo muitas vezes celestial e sobrenatural como foi dito.

Natalia Brandão Venturini a dit…

uiii!!

Aletheia Moraes a dit…

Ahhh que lindo!!!
Amiga, que poema lindo, maravilhoso!!!
Quanta intensidade, sensibilidade.. amei!!!
Descrição absolutamente perfeita do desejo!
Parabéns!!!

Aletheia Moraes a dit…

Quanta paixão, quanto desejo, quanta entrega!!! Lindo, perfeito.. aliás, perfeita.. vc, como sempre!
Parabens!!!